sexta-feira, 20 de agosto de 2010

PROPOSTA DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA O GRUPO DE ESTUDO

A Bola que rola nas quadras, nos gramados e nas areias das praias foi tema de Músicas, Poemas, Reportagens, Crônicas e outros gêneros textuais. O poema narrativo Martim Cererê - O jogador de Futebol, de Cassiano Ricardo também abordou o tema. Veja:

MARTIM CERERÊ - Jogador de Futebol

O pequenino vagabundo joga bola
e sai correndo atrás da bola que solta e r.ola.
Já quebrou quase todas as vidraças
Inclusive a vidraça azul daquela casa
onde o sol parecia um arco-íris em brasa.
Os postes estão hirtos de tanto medo.
(O pequenino vagabundo não é brinquedo...)
E quando o pequenino vagabundo
cheio de sol, passa correndo entre os garotos,
de blusa verde-amarela e sapatos rotos,
aparece de pronto um guarda policial,
o homem mais barrigudo deste mundo,
com os seus botões feitos de ouro convencional,
e zás! carrega-lhe a bola!
“Estes marotos
precisam de escola...

O pequenino vagabundo guarda nos olhos,
durante a noite toda, a figura hedionda
do guarda metido na enorme farda
com aquele casaco comprido todo chovido
de botões amarelos.
E a sua inocência improvisa os mais lindos castelos;
e vê, pela vidraça,
a lua redonda que passa, imensa,
como uma bola jogada no céu.
“É aquele Deus com certeza,
de que a vovó tanto fala.
Aquele Deus, amigo das crianças,
que tem uma bola branca cor de opala
e tem outra bola vermelha cor do sol;
que está jogando noite e dia futebol
e que chutou a lua agora mesmo
por trás do muro e, de manhã, por trás do morro,
chuta o sol ...

Cassiano Ricardo

Agora leia o texto produzido por Luis Fernando Verissimo:

O mistério do futebol - Luis Fernando Verissimo


18 de setembro de 2007 - 20:29

"O prazer de acertar um chute no ângulo da goleira. Qualquer goleira. O que pode se comparar,
na experiência humana? Ou na experiência humana de um brasileiro?"
Começa quando a gente é criança. Quando qualquer coisa - até o corredor da casa - é um campo de futebol e qualquer coisa vagamente esférica é a bola. Se é genético, não se sabe. Um brasileiro criado na selva por chimpanzés, quando se pusesse de pé, começaria a fazer embaixadas com frutas, mesmo sem saber o que estava fazendo? Não se sabe.
Nenhum prazer que teremos na vida depois, incluindo a primeira transa, se iguala ao prazer da primeira bola de verdade. Autobiografia: sou do tempo da bola de couro com cor de couro. A oficial, número 5. Ganhei a minha primeira com cinco ou seis anos. Ainda me lembro do cheiro. Depois de ganhá-la, você ficava num dilema: levá-la para a calçada e começar a chutá-la, ou preservar o seu couro reluzente? Uma bola futebol de verdade era uma coisa tão preciosa que se hesitava em estragá-la com o futebol.
Futebol de calçada. O tamanho dos times variava. De um para cada lado a 14 ou 15 para cada lado. Duração das partidas: até escurecer ou a vizinhança reclamar, o que acontecesse primeiro.
Nada interrompia as partidas. Ninguém saía. Joelho ralado, a mãe via depois. Gente passando na calçada que se cuidasse. Só se respeitava velhinha, deficiente físico e, vá lá, grávida. Os outros não estavam livres de ser atropelados. Quem mandara invadir nosso campo?
Comparado com calçada, terreno baldio era estádio. E terreno baldio com goleiras, então, era Maracanã. As goleiras podiam ser feitas com sarrafos ou galhos de árvore. Não importava, eram goleiras. Um luxo antes inimaginável.
O prazer de acertar um chute no ângulo da goleira. Qualquer goleira. O que pode se comparar, na experiência humana? Ou na experiência humana de um brasileiro?
Todos estes prazeres passam - com o tempo e as obrigações, com a vida séria, com a barriga - mas o amor pelo nosso time continua. Confiamos ao nosso time a tarefa de continuar nossa infância por nós. Passamos-lhe a guarda dos nossos prazeres com a bola. A relação com o nosso time é a única das nossas relações infantis que perdura, tão intensa e irracional quanto antes. Ou mais.
De onde vem isso? Que tipo de amor é esse? Um mistério. Dizem que no fundo é uma necessidade de guerra. De ter uma bandeira, ser uma nação e arrasar outras nações, nem que seja metaforicamente. Psicologia fácil. Não explica por que a pequena torcida do Atlético Cafundó, que nunca arrasará ninguém, continua torcendo pelo seu time. Talvez o que a gente ame no futebol seja o nosso amor pelo futebol. Isso que nos faz diferentes dos outros, que amam o futebol mas não tanto, não tão brasileiramente.
Ou talvez o que a gente ame seja justamente o mistério.

* Luis Fernando Verissimo – Jornalista e escritor


AGORA É A SUA VEZ!
A 1ª proposta de produção de texto para o grupo de estudo: Escreva uma crônica sobre futebol.Você deverá seguir as seguintes instruções:

 Escreva o seu texto, a partir do poema de Cassiano Ricardo. A situação corriqueira de um grupo de crianças brincando de futebol na rua será seu ponto de partida. Você poderá ampliar a narrativa construida pelo poeta, acrescentando ao texto outros elementos da narrativa e não se esqueça de que o seu  texto deverá apresentar outra estrutura, já que a proposta é construir uma Crônica Narrativa.
Mantenha a mesma pessoa do discurso (3ª pessoa) e escreva  um texto com, no máximo, 25 linhas.
 
Cada turma deverá entregar o seu texto, em folha de almaço, no dia de sua aula de Grupo de Estudo.
Um abraço e até lá!
 
Profª Francisca

Um comentário:

Anônimo disse...

Bela lembrança.... Me fez lembrar os meus primeiros anos escolares. Início da década de 70.