Para reflexão ...



"Uma criança, uma professora, uma caneta e um livro podem mudar o mundo."

Malala Yousafzai
Prêmio Nobel da Paz

quarta-feira, 26 de maio de 2010

CHARGE

O GÊNERO TEXTUAL EM FOCO: CHARGE
Charge é um texto visual e humorístico que faz crítica a uma personagem, fato ou acontecimento político específico, possui limitação temporal, tem curto prazo de validade: vale para o dia, para a semana ou o mês em que determinado assunto foi destaque. A linguagem da charge está em comunicação constante com a notícia, alimenta-se da novidade, dos acontecimentos sociais e, ainda, é considerada uma narrativa efêmera. É possível que não seja compreendida sem uma explicação sobre o fato que a gerou.

A Charge oferece ao leitor uma visão crítica da realidade, mas esse gênero diferencia-se dos demais gêneros opinativos por fazer sua crítica usando constantemente o humor, provocando o riso de zombaria sobre problemas sócio-político-econômicos da atualidade.

Conheça alguns dos cartunistas mais famosos e as características de seus trabalhos:

o Angeli usa a sequência, típica dos quadrinhos, em suas charges políticas.

o Aroeira usa outro elemento dos quadrinhos, o balão, fartamente em suas charges

o Jaguar usa o balão em cartuns.

o Carlos Estevão: quando não há uso do balão num cartum e o texto não aparece abaixo do desenho, como diálogo ou título, expediente comum a Carlos Estevão, o cartum é conhecido como piada muda.

Leia o fragmento da entrevista de Jaguar ao Jorna Folha de São Paulo:

FOLHA - Qual é a diferença essencial entre cartum e charge?

JAGUAR - Simples. Por exemplo. Hoje fiz uma charge sobre a visita do Bush. Desenhei o Lula chamando o Bush, que está indo embora do quadrinho. Só aparecem os pezinhos dele. Lula estica o dedo e chama: “Ei, ô companheiro, e a saideira?”. Isso é uma charge. Uma piada que, daqui a cinco anos, ninguém vai entender, porque é em cima de uma circunstância.

FOLHA - E o cartum?

JAGUAR - É um troço que você faz sobre assuntos que daqui a 20 anos qualquer um entenderá. Um exemplo clássico, uma piada qualquer sobre o “Ricardão dentro do armário”. Todo mundo sabe do que eu estou falando. Piadas sobre vida conjugal, sexual, todo mundo entende. Em qualquer época. Já piadas em cima de fatos políticos momentâneos vão ficando incompreensíveis.

Outras Fontes para pesquisa:

www.chargeonline.com.br

http://www.cartunista.com.br/


CHARGE X CARTUM

A charge e o cartum são outras duas formas de manifestação caricatural, mas o foco principal nesses casos, é uma situação ou um determinado fato ocorrido.
A diferença entre a charge e o cartum é que a primeira relata um fato ocorrido em uma época definida, dentro de um determinado contexto cultural, econômico e social específico e que depende do conhecimento desses fatores para ser entendida. Fora desse contexto ela provavelmente perderá sua força comunicativa, portanto é perecível. Justamente por conta desta característica, a charge tem um papel importantíssimo como registro histórico.
Já o cartum, ao contrário da charge, relata um fato universal que não depende do contexto específico de uma época ou cultura, sendo assim atemporal. Temas universais como o náufrago, o amante, o palhaço, a guerra, o bem x mau, são frequentemente explorados em cartuns. São temas que podem ser entendidos em qualquer parte do mundo por diferentes culturas em diferentes épocas. É comum vermos a ausência de textos em cartuns. São os chamados cartuns pantomímicos ou cartuns mudos onde a idéia é representada somente pela expressão dos personagens no desenho sem que seja necessário o emprego de texto como suporte. (...)

SAIBA MAIS:
http://ziraldo.blogtv.uol.com.br/achargenotempo

Nenhum comentário: