sábado, 20 de novembro de 2010

ARTIGO DE OPINÃO - TEMA: VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS
AFETA A QUALIDADE DO ENSINO

A violência nas escolas públicas brasileiras atualmente está descontrolada. São casos e mais casos que vemos na mídia, que são de dar medo. Isso tudo é um horror, por isso, sou totalmente contra a qualquer tipo de violência, pois ela afeta, principalmente, a qualidade de ensino, devido a perda de tempo para resolver conflitos nas salas.

Em todas as escolas quem sofre bastante com a violência são os professores. De acordo com uma pesquisa da Internacional Stress Management (ISMA), realizada em São Paulo e Porto Alegre, 47% dos professores já sofreram agressões verbais e 11% chegaram a ser agredidos fisicamente, isso é realmente um absurdo, assim, fica impossível propiciar um ensino de qualidade.

Com tanta violência nas escolas, acaba afetando a qualidade do ensino dos alunos. Muitos professores cansados de tudo isso, acabam deixando de lecionar, é o que mostra uma pesquisa coordenada por uma pesquisadora; ela aponta que 29% dos professores entrevistados pensam em deixar de lecionar, devido à violência, mas sem professor não existe aluno!

O papel da família, em minha opinião, é realmente muito importante para a diminuição dos casos de violência nas escolas. Apesar de alguns alunos serem violentos, esses vêm de casa com esse tipo de atitude, sofrem violência doméstica e veem os pais alcoolizados. No entanto, os principais afetados pela violência são, tristemente, os poucos alunos que vão para a escola, em busca de um futuro.

Tendo em vista todos os fatos, concluo que, todos precisam se unir para mudar esse atual cenário. Precisamos investir na prevenção, porque assim, se previne problemas futuros, ou seja, levar esse tema para as séries iniciais, com palestras e debates. Para  isso acontecer, é essencial a cooperação de todos e o desenvolvimento de projetos e outras medidas para sanar o problema.

Alana Cristina da Silva, 9ºA


QUALIDADE DO ENSINO CAI POR CULPA DA VIOLÊNCIA

   A violência nas escolas públicas brasileiras é um problema que interfere na aprendizagem do aluno e, infelizmente, essa violência vem se agravando em nosso país.
   A escola é um lugar para aprender, brincar, fazer novos amigos e não para ser saco de pancadas. O grande problema dessa violência, é o fato do aluno não conseguir se concentrar nas aulas, consequentemente suas notas caem, isso é culpa da violência, porque os alunos ficam com medo e faltam nas aulas. No caso dos agressores, jogam papeizinhos nos outros, conversam muito e não param sentados.
   Obviamente, não podemos pensar em violência apenas como agressões físicas cometidas contra uma pessoa, já que outros conflitos e instabilidades geram, às vezes, traumas mais danosos às pessoas e ao ambiente. Um bom aluno quando começa a andar com pessoas “encrenqueiras”, começa a xingar ou bater nos outros e isso o faz desviar dos estudos, porque, segundo os alunos, os que fazem tarefas e trabalhos são chamados de “nerdes” ou “CDF’S”M coisa que ninguém quer ser chamado.
     É impossível os alunos terem um bom desempenho, sendo que há um clima horrível de violência ao redor deles, para o aluno aprender bem, ele tem que ter prazer de ir à escola e não ter medo de ir e ser roubado, agredido e ainda, por cima, correr o risco de ser baleado.
   Algumas medidas poderiam ser tomadas pelos diretores para acabar com a violência. Proporcionar palestras para os alunos se conscientizarem daquilo que estão fazendo, colocar psicólogos nas escolas para orientar os alunos e seus pais e evitar trocas de salas para que não haja contato entre os alunos. Tomando algumas dessas medidas, portanto, as escolas poderiam ter maior rendimento e os alunos seriam menos violentos.

LUIZ HENRIQUE FARIA MARINS, 9ºA






A AUTORIZAÇÃO PARA A VIOLÊNCIA

O assunto dos últimos tempos, em todos os contos do Brasil, é a maneira como vem crescendo o número de ocorrências de violência nas escolas que, de formas diversas tem atingido a vida de milhares de crianças e jovens. Defendo a idéia de que a violência começa em casa, e é levada de forma drástica às salas de aula.

Acredito que, a grande maioria das ocorrências registrados por violência nas escolas, o agressor não é o principal culpado por atitudes tão violentas. De alguma forma, ele também vivencia a violência, seja ela física ou psicológica. Um adulto ao violentar uma criança está dando a ela uma autorização para praticar o mesmo com um colega na escola, pois, a criança tende a copiar as atitudes de seu responsável, segundo opiniões de psicólogos.

Uma criança que, em casa, tem exemplos de amor e carinho, sem dúvida, transmitirá amor e carinho para os seu próximo. Em alguns casos, a reação de uma criança que sofre violência em casa e de não repetir a violência com outras crianças, mas, infelizmente, são casos raros.

Crianças que hoje são violentadas têm chances enormes de praticarem violência contra outras crianças, quando forem adultos, assim como, estupradores que um dia já foram estuprados.

Os únicos e exclusivos responsáveis pelos casos de violência nas escolas são os pais dos inocentes agressores que, na maioria das vezes, foram violentados pelos avós dos agressores e estes pelos bisavós e isso numa sucessão sem fim. Com suas atitudes agressivas e sem reflexão, os pais ajudam a aumentar as ocorrências de violência nas escolas.

LANA ALINE FARIA, 9ºA


A QUALIDADE DO ENSINO É AFETADA PELA VIOLÊNCIA

A violência nas escolas públicas brasileiras aumenta dia após dia, isso prejudica até mesmo a qualidade do ensino, porque alguns alunos, ao invés de ir à escola para aprender, vão pensando em arrumar confusão, prejudicando assim, a aula do professor e a qualidade do ensino.

Segundo Elton de Aquino Arruda, que publicou sua opinião no Jornal O Dia, diz que o assunto não é  novo e que mesmo havendo algumas iniciativas de enfrentamento à questão, essas iniciativas não vem tendo resultado. Por exemplo, o poder público tenta recompensar com premiações em dinheiro para quem enfrenta o desafio de trabalhar em escolas situadas em regiões consideradas violentas.

O cientista político João Trajano de Lima Sinto-Sé fala que o profissional de ensino se sente muito desamparado, desprotegido e muito pouco equipado para lidar com a questão concreta da violência. A professora Patrícia Pereira da Silva disse que as brigas e as ameaças são comuns no colégio estadual onde trabalha, diz também que os professores precisam precisam saber até onde podem ir, porque, hoje em dia, os alunos acham que podem tudo e que não têm limites.

Diante dos fatos descritos acima, proponho que as escolas públicas brasileiras levem esse assunto para ser tema de atividades escolares, debates em sala de aula e palestras para alunos, pais e comunidade, desde as séries iniciais, assim, evitando futuros casos de violência nas escolas.

ALINE MIRANDA RAMOS, 9ºA
Textos em processo de revisão e re-escrita.








































4 comentários:

Anônimo disse...

oi professora tudo bem???e a jessica do 9ºano do ano passado.mudei de cidade.o meu irmao tem aula com a senhora.cuida bem dele ta pfessora.rs'
bjo
saldades

romeria costa melo moreira disse...

oi amiga, visitei seu blog e amei,estava atras de um tema para um artigo sobre violência e achei alguns n o teu blog,faz uma visita para mim,salaaprendizagem.blogspot.com,um abraço.

Anônimo disse...

54lilmex
Na minha opinião todos nós sabemos que violência gera, ainda mais a violência! Num país onde a educação deixou de ser prioridade para nossos governantes nos últimos 10 anos (Educação é pura demagogia ).A definição da violência se faz necessária para uma maior compreensão da violência escolar. É uma transgressão da ordem e das regras da vida em sociedade. É o atentado direto, físico contra a pessoa cuja vida, saúde e integridade física ou liberdade individual correm perigo a partir da ação de outros.

Anônimo disse...

muuito bom os artigos de opinião !